Month: Junho 2017

O que o governo fez com as nossas famílias?

 

O destino de famílias e crianças na Suécia mostra a verdade da observação de Ludwig von Mises que “nenhum meio-termo” é possível entre capitalismo e socialismo. Aqui eu mostro que o crescimento do estado de bem-estar social pode ser visto como uma transferência da função da “dependência” das famílias para funcionários do estado. O processo começou na Suécia do século XIX, por meio da socialização do tempo econômico das crianças via leis de presença escolar, de trabalho infantil e de aposentadoria. Essas mudanças, por sua vez, criaram incentivos para se ter apenas poucos ou nenhum filho. Nos anos 1930, os social-democratas Gunnar e Alva Myrdal usaram a resultante “crise populacional” para argumentar a favor da completa socialização da criação das crianças. Suas “políticas familiares”, implementadas ao longo dos quarenta anos seguintes, virtualmente destruíram a família autônoma na Suécia, a substituindo por uma “sociedade de clientes” onde os cidadãos são clientes dos funcionários públicos. Enquanto a Suécia está tentando agora fugir da armadilha do estado de bem-estar social, os velhos argumentos para a socialização das crianças têm vindo para os Estados Unidos.

Leia mais

Mutualismo: uma filosofia para ladrões

O colapso do socialismo-comunismo não apenas deu origem ao notável crescimento do ambientalismo, como uma fuga à hostilidade do capitalismo, mas também a algum crescimento, vastamente menos considerável, obviamente, dos remanescentes do antigo movimento anarquista, que agora ocasionalmente se denomina “libertário” ou “esquerda libertária”. Uma vertente importante desse movimento remanescente é denominada “mutualismo”. E sua filosofia foi recentemente estabelecida em um livro de um tal Kevin Carson, chamado Estudos de Economia Política Mutualista (Fayettville, Arkansas: Auto-publicado, 2004), do qual eu fiz uma resenha na edição atual do Journal of Libertarian Studies.  A parte inicial da minha resenha aparece na postagem de 10 de junho no Mises Institute. Leia mais

Cidades privadas: o futuro da governança é privado

Imagine uma empresa privada que ofereça os serviços básicos de um estado, ou seja, a proteção da vida, da liberdade e da propriedade em um território definido. Você paga um determinado montante por esses serviços ao ano. Seus respectivos direitos e deveres são estabelecidos num acordo escrito entre você e o fornecedor. Para todo o resto, você faz aquilo que quiser. Por conseguinte, você é uma parte contratante em pé de igualdade e com uma situação jurídica assegurada, em vez de um objeto da vontade do governo ou da maioria, em contínua mudança. E você só se torna parte disto se gostar da oferta. Leia mais

© 2018 Bunker Libertário

Theme by Anders NorenUp ↑